sábado, junho 25, 2022

Cantora Noga Erez traz o balanço pop e politizado made in Israel

AFIADA – A cantora: suas músicas viralizaram após vídeo no TikTok com Gal Gadot –Reprodução/Instagram

No início de maio, quando Israel já colhia os frutos de sua pioneira vacinação em massa contra a Covid-19, a cantora Noga Erez se apresentou em uma das mais agitadas casas noturnas de Tel Aviv. Diante de milhares de pessoas, todas imunizadas, sem máscara e sem distanciamento, ela se jogou no meio do público e todos se abraçaram. Dias depois, porém, metade do país se fechou de novo em casa em razão da explosão de violência entre judeus e palestinos. Quando os foguetes disparados da Faixa de Gaza atingiram Tel Aviv recentemente, Noga se abrigou na casa de um amiga. “Eu estava na varanda do prédio dela e vimos os foguetes caindo”, disse a VEJA, em conversa via Zoom. “Era um show louco de luzes, mas com um significado chocante e assustador.”

+ Compre o disco Kids, de Noga Erez

Noga, como toda israelense, serviu no Exército por dois anos. Multi-instrumentista e formada pela Academia de Música e Dança de Jerusalém em seu período como militar, ela foi destacada para tocar na banda das Forças Armadas. “Foi lá que aprendi a me apresentar para qualquer tipo de audiência”, conta. Conhecer tão de perto a realidade de Israel tem servido de inspiração para Noga, de 31 anos, compor suas músicas — todas em inglês — desde o primeiro álbum, de 2017. Agora, em seu segundo trabalho, Kids, as letras ganharam uma dimensão ainda mais urgente. O clima festivo do pop eletrônico que ela faz é combinado com versos irônicos sobre as contradições políticas de seu país. Uma dessas faixas é Fire Kites, cujo título faz referência às pipas que os palestinos soltam da Faixa de Gaza carregadas com coquetéis molotov. “Não sinto que faço música devido ao lugar onde moro. Mas moro aqui, então escrevo sobre isso”, diz.

+ Compre o livro Israel x Palestina: 100 Anos de Guerra
+ Compre o livro Israel: Uma história

Superstar em seu país, Noga ganhou notoriedade internacional quando a faixa End of the Road viralizou no TikTok com uma dancinha feita pela atriz Gal Gadot. Assim, expôs ao mundo a vibrante cena musical de Israel. Mas a postura engajada da cantora ainda é exceção entre seus pares. “A maioria dos artistas daqui não escreve sobre o que está acontecendo”, afirma, relembrando o caso da própria Gadot, criticada por um post em que desejava que ambos os lados ficassem em paz. “Em Israel, disseram que ela não nos defendeu suficientemente. Lá fora, falaram o contrário”, lamenta. A curto prazo, ela não enxerga nenhuma mudança por lá, nem com o recente cessar-­fogo e a queda do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, após doze anos de governo: “Cessar-fogo não é paz. Tem sido assim há décadas”. Para a nova pop star do Oriente Médio, canções festivas não rimam com alienação política.

Publicado em VEJA de 30 de junho de 2021, edição nº 2744

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Kids, de Noga Erez
Kids, de Noga Erez
Israel x Palestina: 100 Anos de Guerra
Israel x Palestina: 100 Anos de Guerra
Israel: Uma história
Israel: Uma história

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

- Advertisement -
Ultimas Notícias

Aldo Rebelo afirma que censura em redes sociais é ‘talvez mais perigoso’ que fake news

O ex-ministro da Defesa, Aldo Rebelo (PDT), considera que um possível impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal não...